mercredi 29 avril 2009

Com os pobres de Paris

Quando chegamos a Paris, em janeiro de 1991, nao havia pobres. Ou ao menos nao havia pobres visiveis. Nada de criança na rua, poucos mendigos, todos visivelmente destruidos pelo alcool, com seus rostos vermelhos, maos grossas e olhar embrutecido. Havia também alguns jovens drogados. Poucos, perdiam-se numa populaçao que parecia organizada e sem problemas sociais.
La se vao dezoito anos e a sociedade parisiense mudou diante de nossos olhos. Muito.
As estaçoes de trem sao um dos cenarios dessa miséria. De manha cedo, os felizes ocupantes de um emprego cruzam com toda uma populaçao à margem da sociedade do trabalho. Todo um lado da Gare de Lyon, por exemplo, tem seus bancos ocupados pelos mendigos que la dormem e que, acordados antes das 6 da manha pelos transeuntes, se esforçam por assumir a postura de quem esta de passagem. Dificil, dadas as sacas de plastico que carregam, caracteristicas, os olhos vermelhos de alcool, o desalinho, o olhar perdido. Na França o trabalho é honra e a exclusao do mercado é a morte social.
Ha os ciganos que so podem esmolar. Nas filas dos cafés, na porta das bancas de jornal. As moças, longas saias, longos cabelos, chegam a entrar nos trens, sempre duas a duas. De longe, os homens as protegem. Têm os cabelos gomalinados como mafiosos de filme, jaquetas e tênis de solas grossas.
E ha os que vendem jornais feitos por associaçoes de " sem teto". Dentre esses, muitos idosos. Ha uma senhora que se apresenta sempre muito arrumada, maquiada, cabelos pintados de louro e presos num coque bem feito. O jornal custa pouco mais que um café: 2 euros, dos quais o vendedor percebe 1. Sinto que pra ela é tao importante meu cumprimento quanto a moeda com que lhe pago.
Hoje ela nao estava la. De repente, perto do quiosque de jornais, vi à minha frente uma mulher que me pareceu uma velhinha - mas que provavelmente é pouco mais velha que eu - baixinha, arrastando duas grandes malas de rodinhas. Parou à minha frente, precisava de uma informaçao, com certeza. E, baixinho, me pediu um trocado - "une pièce". -Ahn? Ah, claro- e consegui sorrir tentando ser natural. Consegui? Mas valeu o esforço pois ela sorriu de volta e elogiou minha bolsa: - Bela bolsa! Dourada, bem na moda! - Pra chamar o ouro! respondi. E rimos cumplices, como freguesas que se encontram numa butique. Como atrizes sobre o tabulado.

4 commentaires:

Clara Lopez a dit…

Bonito texto, madame, vous écrivez chaque jour mieux, é triste ver a decadência chegando bem à nossa frente, é diferente daqui, onde ela já está instalada, a gente já passa mais batido...
E a gripe, não está te preocupando não? Como as pessos comuns estão sentindo uma possível pandemia? Eu confesso que estou meio assustada.
beijo
clara

Eliana BR a dit…

Querida Clara,
teus elogios me font chaud au coeur.
Quanto à gripe, os franceses estao convencidos de que ha um escudo protegendo a França...você pensa que inventamos o " Deus é brasileiro"? Noao senhora, importaçao e adaptaçao, simples assim.
Bises,
Eliana

Jonga Olivieri a dit…

E dizer que no passado havia uma musiquinha que dizia "(...) somos os pobres de Paris, etc" em que a poesia era a nota principal.
Talvez fossem como os "vagabundos" ingleses de outrora.
Também não me lembro de mendigos aparentes na cidade luz. Mas, como tem tempos que não vou aí...
E deus... Se fosse brasileiro não estariamos passando o que passamos com nosso políticos (e juízes). Creio que o diabo, ah!, este sim é brasileiro.

Barros a dit…

Gostei da postagem, nos faz refletir sobre um assunto que em geral evitamos.
Aqui no Rio, a prefeitura de tempos em tempos, tenta fazer uma “limpeza” da cidade, levando os mendigos e sem teto para os abrigos. Mas no dia seguinte estão todos de volta. Alguns se tornam alcoólatras ou drogados, há outros que se tornam agressivos e pequenos ladrões, e ainda há os que estão lá por opção e não por necessidade. São tantos e há tanto tempo que já fazem parte do cenário, muitos nem os notam, ou fingem que não. Eu não consigo, mas afinal, o que fazer? Seria caso de deficiência de políticas públicas, que não tem um bom programa de reinserção dessas pessoas na sociedade? Seria o caso de mudança da atitude da sociedade, que ajuda a mantê-los, dando esmolas? Quando aprendemos um pouco sobre a história dessas pessoas, a solução não parece ser tão fácil. Não sei se podemos ajudar quem não quer receber ajuda.

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Capa de Ronaldo Graça

Interior de Saint Julien le Pauvre

Interior de Saint Julien le Pauvre

Marion e a igreja de Saint Julien le Pauvre

Marion e a igreja de Saint Julien le Pauvre

Barcelona

Barcelona

Barcelona

Barcelona

Museu da Catalunha

Museu da Catalunha

A arvore mais velha de Paris.Jardim de Saint Julien le Pauvre

A arvore mais velha de Paris.Jardim de Saint Julien le Pauvre

Jardim da igreja de Saint Julien le Pauvre

Jardim da igreja de Saint Julien le Pauvre

Igreja da Madeleine

Igreja da Madeleine

Das escadas da Madeleine. Ao fundo, a place Vendôme

Das escadas da Madeleine. Ao fundo, a place Vendôme

Barcelona- Gracia

Barcelona- Gracia

Rue de Bucci

Rue de Bucci

Barcelona

Barcelona

Charitas forever

Charitas forever
Foto de Elias Francioni

Passage Saint Andre des Arts

Passage Saint Andre des Arts

Cartão-postal

Cartão-postal
Foto de Vera Bungarten

Paris...

Paris...
Foto de Vera Bungarten

No centro do Louvre

No centro do Louvre
Foto de Vera Bungarten

Passages de Paris

Passages de Paris
Foto de Vera Bungarten

Livraria Shakeaspeare.Quartier Latin

Livraria Shakeaspeare.Quartier Latin
Foto de Ana Maria Lucena

Quartier Latin

Quartier Latin
50 anos de Ionesco

Tonico Pereira. Teatro da FAAP

Tonico Pereira. Teatro da FAAP

Le Petit Pont e l'Hôtel de Police

Le Petit Pont e l'Hôtel de Police

Feliz Ano Novo ( foto de Patrick Corneau)

Feliz Ano Novo ( foto de Patrick Corneau)
Dança, a esperança equilibrista porque o show de todo artista tem de continuar.

Ilha da Boa Viagem

Ilha da Boa Viagem
Foto de Elias Francioni

Rue de la Huchette. Quartier Latin

Rue de la Huchette. Quartier Latin

Xando Graça

Xando Graça

Pont Saint Michel

Pont Saint Michel

Les Invalides

Les Invalides
Foto de Vera Bungarten

A dama de ferro

A dama de ferro
foto de Ana Lucena

A côté du Beaubourg

A côté du Beaubourg
Foto de Vera Bungarten

Chez Procope

Chez Procope

Igreja de Saint Séverin

Igreja de Saint Séverin

Angulo da igreja de Saint Séverin. Quartier Latin

Angulo da igreja de Saint Séverin. Quartier Latin
(foto Ana Maria Lucena)

Detalhe da Catedral de Notre Dame

Detalhe da Catedral de Notre Dame

Bassin Igor Stravinsk (ao lado do Beaubourg)

Bassin Igor Stravinsk (ao lado do Beaubourg)
Foto de Vera Bungarten

Liceu Henri IV

Liceu Henri IV
foto de Maria do Rosario

Liceu Henri IV. Ao fundo, o Panthéon

Liceu Henri IV. Ao fundo, o Panthéon
foto de Maria do Rosario

Liceu Henri IV

Liceu Henri IV
foto de Maria do Rosario

Liceu Henri IV

Liceu Henri IV
foto de Maria do Rosario

Jardin du Luxembourg

Jardin du Luxembourg

Espetaculo de mimica

Espetaculo de mimica
Jardin du Luxembourg

Rive Gauche

Rive Gauche

Barcelona Arco do Triunfo

Barcelona Arco do Triunfo

Museu de Zoologia e Historia Natural

Museu de Zoologia e Historia Natural

Jardin du Luxembourg

Jardin du Luxembourg
O despertar da primavera